Com novo sistema de transporte, São José ganhará dois terminais e tarifa unificada

Uma tarifa única de transporte coletivo para quem circular apenas dentro da cidade. Dois terminais municipais, além de ligação por BRT (Ônibus Rápidos) com as principais cidades da região. São José será uma das maiores beneficiadas pela implantação da Rede Integrada de Transporte Coletivo Metropolitano. Não apenas pela sua posição estratégica em relação aos demais municípios, mas por possuir, também, a maior população em deslocamento, internamente e com destino à Capital. A meta do governo do Estado, por meio da Suderf (Superintendência de Desenvolvimento da Região Metropolitana), e em parceria com a prefeitura, é elevar o interesse da população pelo transporte coletivo.

O novo sistema ainda está em discussão, mas deve começar a ser implantado em 2018, contanto inclusive com PPPs (Parcerias Públicos Privadas) para as obras de maior parte, como as linhas exclusivas de BRT. O diretor técnico da Suderf, Célio Sztoltz, explica que uma pesquisa, denominada “origem-destino”, de 2014, apontou as preferências dos moradores quanto aos deslocamentos, envolvendo rotas, horários e veículos. Mais de 14 mil habitantes informaram os roteiros utilizados. O resultado foi a construção de uma ampla rede, que atende inclusive os bairros mais afastados. “Isso foi importante, porque linha nova é aposta, precisa saber se terá usuários, retorno e se vão usar mesmo”, diz.

A secretária de Segurança, Defesa Social e Trânsito de São José, Andréa Pacheco, acredita que o novo sistema trará benefícios para a toda a população e defende a participação da comunidade nessa parte da implantação do sistema, que ainda contará cm a exposição das linhas na internet. A parte mais difícil, segundo ela, é conseguir os recursos necessários para as obras. “É necessário, não há como fugir disso, só não dá para ser de um dia para o outro. O Estado reclama da saúde, o município possui suas deficiências. Será preciso uma cooperação da região e do conjunto dos municípios envolvidos”, avalia.

Quem está acompanhando as audiências públicas promovidas pela Suderf tem apoiado as mudanças. Para o vereador Caê Martins (PSD), o projeto ajudará os moradores a não ficarem tão dependentes da Capital. “Percebo que vem amadurecendo muito, o sistema do transporte é complexo e me agrada muito essa integração. O cidadão terá qualidade de serviço, bom preço e beneficia quem está no interior também”, diz.

O vereador Nardi Arruda (PSD) aposta na melhoria da mobilidade urbana. “Para São José é importante o desenvolvimento como um todo. Vejo que as áreas foram divididas em patamares, só minha única dúvida é quanto a autonomia do município nas linhas da cidade, envolvendo fiscalização”, comenta.

Redução no número de linhas

No diagnóstico do transporte público da Grande Florianópolis, feito através do projeto da Rede Integrada de Transporte Coletivo Metropolitano, foi constatado que, em São José, há linhas demais, em trechos não tão movimentados. Além disso, apenas 14% das viagens atuais são feitas em linhas municipais. Célio Sztoltz aponta a falta de planejamento urbano e o crescimento desenfreado e sem planejamento como responsáveis pelo “zigue-zague”, dos ônibus que hoje fazem inúmeras vezes a mesma rota. “É importante buscar o equilíbrio entre tarifa e frota. Reduzir as linhas é otimizar e dar eficiência, aumentando as opções de deslocamentos, diminuindo custos”, comenta.

No sistema atual há 403 veículos, 283 linhas, 220 tipos de serviço como passagens e destinos integrados para 150 mil passageiros. A integração propõe uma redução para 370 frotas, 160 linhas e aumenta os serviços para 370. Além disso, o projeto quer trazer um mix de veículos, seguindo os parâmetros de cada localidade. Nos trechos onde há menos usuários, a intenção é colocar micro-ônibus, modelo de van.

Foco no usuário

Com a Rede Integrada Metropolitana, o usuário poderá trocar de veículo para chegar a uma cidade da região sem pagar novas passagens cheias, ou seja, pagará apenas o complemento de tarifa dependendo do destino. Pelo valor de R$ 9,00, por exemplo, consegue sair do terminal previsto para Biguaçu e ir até o bairro da Pinheira, em Palhoça, sem precisar entrar na Capital.

Para o superintendente de Desenvolvimento da Região Metropolitana, Cassio Taniguchi, o projeto atenderá a todos os tipos de usuários. Desde aquele que mora no interior, até aquele que hoje paga duas passagens para chegar no seu destino. A maior parte do investimento será feita pelo governo do Estado. “Os investimentos na infraestrutura foram separadas da tarifa. Grande parte está sob responsabilidade do Estado, como a duplicação da Via-Expressa, os terminais, estações”, descreve.

Segundo Taniguchi, o projeto final de engenharia para duplicar a Via Expressa já está pronto e será lançado em breve. “É uma obra mais complicada e estamos prevendo para 2019, caso licitarmos tudo esse ano. A nossa expectativa é se tudo ocorrer bem, sem revolta de prefeitos, é termos condições de implantarmos rápido. Em todas as nossas apresentações o cliente principal são passageiros e não os políticos. Se queremos beneficiar a população vamos parar com discussões bestas e vamos implantar logo o sistema”, pontua.

Texto de Brunela Maria

Fonte: ND Online

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *